terça-feira, 17 de abril de 2018

Ser madrasta


Sempre que pesquisava sobre as dificuldades de se ser uma madrasta, eu me deparava com textos e depoimentos dos mais diversos, a maioria deles falava  dos pontos negativos de se envolver com homens que já tenham filhos. O problema é que o tipo de relacionamento entre mulheres e filhos do companheiro parece ser mais complicado do que o relacionamento que o homem desenvolve com os filhos de sua parceira. 

Eu sempre leio em textos, as pessoas dizendo que a madrasta não é a mãe e nunca será, que precisa se comportar como amiga e ganhar a confiança das crianças, precisa entender as dificuldades delas e compreender que elas tenham ciumes em relação ao pai. Concordo plenamente, mas as coisas são mais complicadas quando as crianças moram com o pai, e a madrasta, tem sim, não que tomar o lugar, mas que fazer o papel de mãe.

Os primeiros conflitos podem ser os que se relacionam com as diferenças nas visões educacionais que os pais possuem. Se uma madrasta for muito liberal e o pai mais rígido, isso poderá gerar grandes embates na relação dos dois e da família em geral; ciúmes que os enteados venham a sentir dos pais e dos filhos dos cônjuges dos pais, descontentamento pela mudança de vida, da rotina e do ambiente, saudades da antiga situação, e tantas outras coisas, podem ser pedras infernais nos sapatos da nova família que se forma. Ser uma madrasta dentro desse turbilhão não é nada fácil. Mas, uma frase que li em alguma dessas reportagens dizia: Não dá para consertar o que você não quebrou. Concordo. Mas precisamos criar estratégias para viver com os cacos que restaram, e isso é "osso".

Sempre haverá referências à situações passadas, palavras mal ditas, explosões de vez em quando; mas haverá também a criação de algo novo, algo que vai se transformando com o tempo, com as palavras e as ações. A madrasta que mora com os enteados não pode ser tratada como mera companheira do pai; e não pode aceitar ser uma mera peça dentro de sua própria casa. A casa, o lar, é governado pelos adultos que resolveram se unir, e juntos, tomam decisões para o bem deles e dos filhos de ambos. Os filhos tomarão decisões quando forem capazes financeira e mentalmente. E pronto.

Ninguém é obrigado a cuidar nem dos próprios filhos se não quiser, basta dá-los à adoção. Talvez seja obrigado a lhes dar dinheiro para se manterem, nada além. Se alguém está disposto a acordar, lhes preparar o café, saber se fizeram as lições, se as unhas estão grandes, se os cabelos estão ensebados, penteados, os dentes escovados, se estão andando descalços, deitando sujos, se estão com fome, se estão doentes, se os dentinhos caíram e a fada do dente trará uma moedinha, esse alguém não é uma mera peça. Se ainda esse alguém está menos preocupado em ser chato que ensinar-lhes que não devem comer com as mãos, falar de boca cheia, que devem repartir com educação, lavar o que sujar, fazer as coisas por eles mesmos, agradecer, aceitar que nem tudo pode, e que deve comer de maneira adequada, esse alguém não é apenas o companheiro do responsável. Esse alguém é aquele que vai construir maquetes e bonequinhas de festa junina, que vai comprar o presente baratinho, mas que sabe que vai agradar; é o alguém que ficou, por que quis. Esse alguém não é só a companheira do pai.

Eu já disse, não sou madrasta, sou madre. Não tem nada relacionado com madres religiosas, mas com a origem da palavra mãe. Sou mãe dos meus de sangue, a quem muito amo e dediquei minha vida, e sou madre de meus enteados, que também estou aprendendo a amar. E não faço nada em troca de respostas, nem retribuições futuras, apenas exijo o respeito que mereço. E que haja muitas pessoas que estejam dispostas a lhes ensinar coisas que os tornarão capazes de serem pessoas dignas e felizes.

Eu sei o meu lugar, e não desejo mais que isso. 




quinta-feira, 12 de abril de 2018

Vão se abrir as porteiras do inferno!

Coxinha com a cara de Neymar...

Preparem as suas mentes fracas, pois o período bélico de loucura generalizada está para começar (ou se potencializar 3000 vezes)! Os dedos hábeis já estão a postos, as mentes não se cansam e o repertório está sendo atualizado. Vão começar o período eleitoral e a Copa do Mundo! Aliás, por que as eleições no Brasil caem justo nos anos das Copas, sabendo-se que o povo se azumbiteia nessa época? Good question.

O clima no Brasil já está plúmbeo, e os haters nunca heitaram tanto. Curiosamente, os que supostamente são colocados à direita sempre falam mais com os dedos, e de maneira mais odienta que os esquerdosos. Podemos ver claramente como a coisa se alastra feito pólvora, e salpica em todos os lugares, até mesmo em publicações totalmente neutras. Se alguém posta uma matéria sobre um cachorrinho lindo e fofo com orelhas de Mickey, um indivíduo insiste em pichar a parede virtual com dizeres, tais como:

Enquanto idolatram-se cachorros o Brasil está afundando! Queria eu ser um cachorro americano, mas vivo no Brasil, onde a corrupção não tem fim e os políticos estão todos soltos.

Han??



Imagine quando os candidatos forem certos e o destino incerto! O lixo das paredes azuis servirá de mural para opositores ficarem gritando ao vento e ao furacão, se odiando, apenas fazendo eco com os iguais; e nessa gritaria de dedos e mentes borbulhantes, inimizades, guerrilhas de saberes, dados duvidosos e argumentos nunca suficientes levarão à exaustão os debatentes, e nisso perderão horas de suas preciosas vidas, tornando o tempo inestimável em tempo inutilmente gasto. Nada será frutífero nesse universo de ódio, paixões e incoerência. Nada nasce do ódio das certezas e da intolerância.

E no meio, ainda teremos o mundial de futebol. Se já é difícil suportar postagens de times regionais preenchendo todas as páginas da internet, imagine quando começar essa febre verde e amarela. Será que os vermelhos se fantasiarão de verde e amarelo dessa vez e se unirão aos coxas, manifestantes elegantes e requintados? Another good question, vamos aguardar. Mas, por mais que não nos importemos, não há como fugir dessa epidemia que toma conta do Brasil nessa época. Quando vemos, estamos lamentando os 7x1 (só no início, depois é uma piada só). O fato é que vivemos um segundo carnaval no ano, mas com outros moldes e focos.

Então, esse ano promete ser dolorido, doído e penoso. Na verdade, desde o ano passado, só quero que passe logo e saiamos desse feudo em que nos metemos novamente, por que está osso demais, e só Jesus ou Ganesh para nos liberar uma vela nessa década que promete ser uma das mais difíceis e escuras do Brasil.



terça-feira, 3 de abril de 2018

Senhor Vitorino de Mariana e seu pomar




Belas imagens de um senhor marianense e de sua horta. Sabedoria e simplicidade. Ótimo trabalho de Luan Carlos e parceiros.



De maneira expositiva e poética o curta apresenta diferentes alimentos provenientes da agricultura familiar, como o cultivo de pequenas plantações, como produto principal, alimentos para consumo próprio e/ou pequenos comércios. Tudo isso abordando a interação de Seu Vitorino (75) com sua horta e seu pomar.


Direção: Felipe Leoni, Luan Carlos
Produção e Pesquisa: Felipe Leoni, Luan Carlos, Jaqueline Ferreira
Desenho de Som, montagem e finalização: Luan Carlos
Feito para a disciplina de Documentário do curso de Jornalismo da UFOP.
Orientação: Prof. Adriano Medeiros Duração: 14min
Gravado em 14/03/2017

domingo, 1 de abril de 2018

Olhos que se calaram.


Perdas são sempre perdas, mas algumas marcam a alma, transformam vidas, e eu sei bem disso. Hoje trago o testemunho de uma amiga que perdeu sua mãe, e sempre é cedo demais. Ela nos fala sobre seus últimos momentos, sua conexão e sobre o que a perda significou em sua vida. Que a luz esteja sempre ao seu lado.


01/03/2018 –  Olhos que se calaram.

Isso sempre foi assim. Não sei contar como começou.

Nós falávamos muito, por dias, por horas, éramos capazes de falar durante toda a viagem minas/sp, que sempre fazíamos e durava cerca de 10 horas. Mas nossa melhor comunicação sempre foi com o olhar, e nossos códigos todos (“veja que engraçado; nossa que ridículo; vamos fingir que estamos acreditando em tudo; você está errada, mas que bola dentro hein; a comida está boa; nossa vamos comer isso pra não fazer desfeita”). Nada precisava ser dito quando não estávamos sozinhas, os olhares bastavam.
E então,  após uma piora, ela foi para o hospital e nossa médica de confiança em SP aconselhou que a mantivéssemos lá, pois eram mesmo os últimos dias. Nos bastidores, um tentativa insana de fazer o transporte aéreo para São Paulo para que ela ficasse um pouco mais conosco.

Mas eu sabia, eu sabia de tudo, a Dra. Dani já tinha me explicado como seria o fim, mas eu tinha uma missão a cumprir, missão que assumi em 13 de março de 2012, que era a de garantir a ela o melhor tratamento e bem estar; meu melhor desempenho e esforço, nada foi capaz de me parar. Nossa comunicação visual foi ficando cada vez mais apurada, portanto, quando eu não podia me expressar honestamente a ela, eu me perdia e voltava num olhar de “eu sei o que eu estou fazendo, só confia”, ela confiava com o olhar e eu ia atrás de minha missão.

Minha missão incluiu chamada de viatura policial no hospital para que lhe fosse garantido um tratamento digno, não a simples espera de um corpo parar. Ela tinha de ter dignidade até o final,  pois durante toda sua vida nunca foi capaz de maltratar qualquer pessoa. E quando digo nunca, é nunca. Nunca sequer reclamou com algum enfermeiro cansado, ou de um exame que demora, frio, calor, nada. Isso, cuidar dos “detalhes”, estava dentro de minhas atribuições, mesmo, ela nem pedindo, e muitas vezes, nem sabendo.

No segundo dia de internação, cedo, as enfermeiras vieram para dar-lhe banho, ela estava indisposta, mas nos olhamos e sabíamos que daríamos um jeito naquilo. Pedi que saíssem pois iríamos fazer à nossa moda: banho de cabeça, que era aquele banho que incluia lavar aquele cabelo enorme e passar um tempão jogando água uma na outra. Nunca vou me esquecer daquele cheiro de banho tomado (nem quero). Queria colocar pijama decente, nada de coisa de doente, e assim fizemos; quando as enfermeiras voltaram, estávamos sentadas conversando, mas logo mudamos nossa linguagem, pois elas não sabiam da missa, um terço sobre nós.

Mesmo quando ela se irritava com alguma coisa, quando suas veias sumiam e eu saia feito louca atrás de uma luva de borracha e água para fazer bolsinha para aparecerem as veias, ou qualquer situação, dávamos um jeito que sempre terminava em risadas, piadas, ligações para contar dos detalhes para os outros, enfim, ela ia piorando, mas  não a nossa comunicação, nem nosso senso de humor.

Já naquela tarde, ela foi perdendo a capacidade de comunicação oral, mas lá estávamos, conversando pelos olhos e eu endossando os assuntos com a fala.
Mãe, não se esforce pra falar, basta me olhar que eu já sei o que quer”  “ Mãe eu sei que está pedindo para eu tirar esse troço do seu nariz, mas te ajuda a respirar, temos que ir embora esse fim de semana, Dra Dani nos espera em SP”.

Na manhã seguinte ela me pede chorando com os olhos para tirar o respirador, mas eu peço só um pouquinho de paciência, logo mais a Dra. Dani mandaria tirar.
Viro de costas e penso, sim mãe, eu quero tirar isso, quero sair daqui te empurrando numa cadeira de rodas no nosso melhor estilo, mas não dá.
Nesse dia, enquanto ela estava adormecida, o banho foi de cama, aquilo para mim foi inaceitável, não pelas enfermeiras que sabem fazer aquilo com uma delicadeza e rapidez incrível, mas, como assim? O momento do banho era nosso momento há meses, tiraram isso de nós.

Quando ela acordou com a camisola do hospital, imediatamente eu quis trocá-la, mas ela estava rendida e cansada demais.
Mãe, presta atenção que eu estou lhe falando, olha pra mim”. Os demais parentes chegaram e ela tentou esboçar palavras e escritos, mas quando ela estava cansada, olhava para mim e eu dizia a todos o que ela estava querendo falar.
Nesses momentos eu a deixava como protagonista, espalhando sorrisos desconexos, amor, carinho e luz, e eu no canto da sala era a intérprete, quando necessário, desempenhando minha missão, lendo e relendo prontuários, escalas de enfermeiros, próximos medicamentos, etc.; isso me distraía, me permitia dar uma saidinha para gritar de dor de alma e bater em paredes até a mão sangrar, e voltar ao quarto como se tivesse ido buscar algo para a gente comer.

Ei, o que é isto? Alimetação parenteral ?” Sim, é preciso. Bom, pelo menos ela está dormindo, acordará cheia de perguntas, e é melhor eu me preparar para responder (ela não ingeriu nem metade do pacote até tudo acabar).
Mãe? Que preguiça é essa? Vamos acordar, olha pra mim, tenho coisas pra te contar”, ela com muito esforço tentava ouvir minhas coisas importantíssimas sobre os cachorros, as plantas, as mensagens da Dra. Dani, “vamos parar de dormir”.

Sua respiração vai piorando, até que colocam um inalador extremamente barulhento, mas nesse momento eu acho que ela já não ouve, mas me olha ainda e pede pra ir embora pra casa, olha pra porta com uma lágrima no olho.

Sei tudo o que está acontecendo, mas ela nunca me viu queda; li, cantei hinos, falei bobagens, meu pseudopai e irmão foram embora, ela, com os olhos abertos e pouquíssimos movimentos: “ podem ir, amanhã é outro dia”. Ficamos eu e Adriano, iríamos ter nossa conversa noturna pois eu já estava recomposta para continuar a missão.
Volto a atenção para aquela guerreira e seus olhos estão abertos, mas eles já não me falam mais. Arranco aquele respirador e a abraço fortemente para ouvir sua respiração e coração.

Mãe, seu coração está batendo, mas sua respiração não consigo ouvir  Desligo tudo o que é aparelho que possa estar me enganando.

Sim, o coração bate, não saio daqui até que tudo esteja acabado, como eu te prometi, vamos vencer juntas”, e fico alí, pedindo silêncio ao mundo, esperando que o coração pare junto ao meu ouvido e ao meu choro mudo.

Olho no relógio, sábado, dia 30 de março 19:30, ok, pode chamar o médio para atestar seu óbito.

Mãe, te faço mil promessas, mas agora irei fechar seus olhos e por algum tempo, não vamos nos falar mais

Sigo minha missão, até hoje, custe o que custar sigo minha missão de te honrar enquanto houver vida aqui.

Sei que sofro até hoje de dois lutos: da minha alma gêmea, minha mãe, ser de luz que me deu amor pra uma vida inteira; o outro luto é o da perda daquela pessoa que morreu com ela alí também.

RIP – Mãe  RIP – Talita

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...