Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2010

Pensamentos inspiradores

A moreia que urinou na areia queimou a mufa com aveia.
Não adianta a bagaça se esconder, sempre haverá um bingolim atrás.
Nem mesmo as lesmas sobem na trepadeira.
Macaco louco põe o pé na tiririca e explora a marguerita.
Pra que pular na marafunda se o sostício arregaçou?
Nem a muringa, nem o climatério estancam a carnificina.
Pão com mirra na bandeira se faxina.
O amor escurraça as chagas do cachinbo cariado.

Os quatro do ponto

Entediada, cansada e pensativa comecei mais uma manhã rumo ao trabalho. No ponto de ônibus, onde aqueles minutos pareciam infernais e infindáveis, me distraí por um momento olhando as flores amareladas das árvores que sempre aparecem no mês de março, quando quatro figuras se aproximaram do ponto. e desviaram a minha atenção. Ninguém que estava alí por perto deixou de notar a presença das personagens, mas nenhum deles demonstrou que os observava.
Três meninas , uma escadinha, deveriam ter entre  5 e 7 anos, todas elas com o mesmo penteado, a cabeça repartida em quatro e em cada quatro, uma pituca crespa e despenteada prendida com alguns barbantes. Suas roupas eram notadamente velhas, com alguns remendos e nódoas...A menor, ao se acomodar na calçada, retirou o sapato que já começava a sorrir e pisou sobre ele, sinal de que os pés não tinham o mesmo número. O sapato da mais velha já tinha um sorriso completo, mas as meninas não tinham sorriso, apresentavam um olhar assustado, triste, obse…

Farinha luminosa

A noite era estrelada, tão estrelada como se alguém tivesse derramado farinha de trigo luminosa num pano escuro. Era tão linda, tão mágica, eu não conseguia deixar de olhar para aquela formosidade.Tinha lá os meus 9 ou 10 anos, e nós costumávamos deitar um lençol na calçada, animados por uma noite quentíssima de verão na jovem Ipatinga, nos aconchegarmos e assim ficarmos por horas olhando, imaginando e nos fazendo perguntas existenciais. A vida me parecia tão misteriosa e os sonhos tão fantásticos e distantes, minha  esperança estava em algum lugar bem longe, talvez lá com aquela farinha fluorescente... Demoraria tanto até que eu me encontrasse, que eu descobrisse os segredos do universo! Até pensei ser imortal tamanho era o tempo que ainda tinha até descobrir e ser alguém. Eu não existia, eu era um sonho, um futuro.
Como o cheiro daqueles dias eram incomparáveis, tão doce! O meu coração disparava com os meus devaneios, agitado pelas noites acaloradas e alimentado pelas estrelas animad…