Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2009

Arrancando os muros

O maior mal que a pessoa pode carregar dentro de si mesma é a mágoa! A mágoa corroe lentamente todos os bons sentimentos e aniquila todos os bons momentos, ela traz a angústia e a dor, nos joga dentro de um tornado de tormentos infindáveis. Mas existe ainda o filho da mágoa, esse sim é amarguroso e amargoso, esse é mau-humorado, é triste e carrega um saco de bosta enorme em suas costas, o seu nome é RANCOR. O Rancor é capaz de detruir uma vida inteira quando não pode ser arrancado de dentro de um peito desconfiado.

Lembro-me de uma reportagem que vi há algum tempo na TV, que mostrou um exemplo muito bom do que a mágoa e o rancor são capazes de fazer com a vida de várias pessoas; O casal, já idoso, não trocava uma só palavra, toda a comunicação era feita através do filho, que repassava as falas do pai para a mãe e vice-versa:

_Eu tava querendo um pedacinho de bolo.

Resmungava o pai para o além.

_Mãe, o pai ta querendo um pedacino de bolo!

Repetia o filho, mesmo que a mãe estivesse presente …

Copia e cola

Caetano Veloso
Queixa
Um amor assim delicado
Você pega e despreza
Não devia ter despertado
Ajoelha e não reza
Dessa coisa que mete medo
Pela sua grandeza
Não sou o único culpado
Disso eu tenho a certeza
Princesa, surpresa, você me arrasou
Serpente, nem sente que me envenenou
Senhora, e agora, me diga onde eu vou
Senhora, serpente, princesa
Um amor assim violento
Quando torna-se mágoa
É o avesso de um sentimento
Oceano sem água,
Ondas, desejos de vingança
Nessa desnatureza
Batem forte sem esperança
Contra a tua dureza
Princesa, surpresa, você me arrasou
Serpente, nem sente que me envenenou
Senhora, e agora, me diga onde eu vou
Senhora, serpente,
Um amor assim delicado
Nenhum homem daria
Talvez tenha sido pecado
Apostar na alegria
Você pensa que eu tenho tudo
E vazio me deixa
Mas Deus não quer que eu fique mudo
E eu te grito esta queixa
Princesa, surpresa, você me arrasou
Serpente, nem sente que me envenenou
Senhora, e agora, me diga onde eu vou
Amiga, me diga...

Lar abandonado

Por quê teimar em abrir as portas
Se não querem entrar?
Querem apenas olhar os canteiros, sentir o aroma das flores e arrancá-las;
Querem sentar nos bancos, olhar a lua cheia e partir quando o sol raiar;
Querem provar das frutas e deixar os bagaços no pomar...

O mato já envolvia o quintal,
As teias ornamentavam os portais e os cantos de tudo,
Mas, ainda assim, era confortável.

Não havia o perigo do novo,
Não havia um jardineiro
Que deixaria a beleza entrar por alguns instantes,
Não havia ninguém pra bagunçar.
Porém, alguém chegou e comeu todas as frutas,
cheirou todas as flores,
invadiu a casa,
Mas, logo partiu,
Deixando apenas as doces lembranças
e o sentimento estranho
de lar abandonado.

Recorta e cola

Ainda para as mulheres de trinta ou mais (Essa é velha, mas é ótima!) Isto é para as mulheres de 30 anos pra cima…E para todas aquelas que estão entrando nos 30,e para todas aquelas que estão com medo de entrar nos 30…E para homens que têm medo de meninas com mais de 30!!!“ A medida que envelheço, e convivo com outras,valorizo mais as mulheres que estão acima dos 30.Estas são algumas razões do porquê: - Uma mulher de 30 nunca o acordará no meio da noite para perguntar: “O que você está pensando?”Ela não se importa com o que você está pensando,mas se dispõe de coração se você tiver intenção de conversar. - Se a mulher de 30 não quer assistir ao jogo, ela não fica à sua volta resmungando.Ela faz alguma coisa que queira fazer.E, geralmente è alguma coisa bem mais interessante. - Uma mulher de 30 se conhece o suficiente para saber quem é, o que quer e quem quer.Poucas mulheres de 30 se incomodam com o que você pensa dela ou sobre o que ela esta fazendo - Mulheres dos 30 são honradas.Elas rarame…

Mulher de trinta e poucos.

Depois que fiz os meus trinta anos, entrei em uma profunda depressão e enfrentei uma crise existêncial, sentia-me velha, ultrapassada e já com pouca vida pra realizar os meus tantos planos de infância e adolescência. Eu não sabia mais quem eu era e para onde eu estava indo, e nem me lembrava mais de onde vinha, não sabia o que eu queria, mas, ao menos sabia o que eu não queria. Era como se eu estivesse começando do zero, mas com quase nenhum tempo para me realizar.Queixando-me de minhas frustrações, Adélia, professora de teatro, me indicou o livro "A mulher de trinta anos", de Balzac, como conforto. Confesso que a história me pareceu um tanto cansativa, devido à sua linguagem e ao estilo literário, mas algumas observações feitas pelo autor me agradaram e muito:


'Uma mulher de trinta anos tem atrativos irresistíveis. A mulher jovem tem muitas ilusões, muita inexperiência. Uma nos instrui, a outra quer tudo aprender e acredita ter dito tudo despindo o vestido. (...) Entre e…

Eteviana

O dia estava quente, era mais uma tarde de verão, daquelas onde o asfalto ferve e as cores são intensas e vibrantes, quando os corpos não querem trabalhar muito. Eteviana nunca tinha sentido em sua pele bege aquele calor tão forte, estava se sentindo preguiçosa e disposta a se deitar em uma rede até o dia terminar e se refrescar. Apesar dessa disposição, ou indisposição do seu corpo, o coração não batia no mesmo ritmo, não depois da noite em que conhecera aquele ser especial! Ela tinha seguido todos os passos que a amiga a ensinara, fingir ignorar, fazer charminho, jogar um cabelo, dar sorrisinhos, e todas essas coisas que para ela não faziam sentido algum. O engraçado foi que acabara descobrindo o gosto daquelas brincadeiras, não era só fazer gestos e caretas sem sentido, havia prazer naquele joguinho de sedução e poder. Aos poucos ela estava conseguindo compreender algumas das práticas humanas de acasalamento, o seu objeto de estudo. Ela não contava, no entanto, que acabaria se joga…