Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2015

De saco cheio de tanta burrice!

Finalmente as sombras que estavam ocultas pelo medo da intolerância estão ressurgindo e cobrindo o nosso país, revelando o quão podre a carniça guardada debaixo do tapete imundo se apresenta, empesteando todo o ar e revirando os estômagos dos menos fortes ou menos hipócritas. A "burrice" se revela, mas, ao contrário do que o senso comum pensa, a "burrice" não é privilégio apenas das classes menos favorecidas, pertence também, ironicamente, aos que estão em melhor situação, e de uma maneira muito mais agressiva e devastadora.
A internet e a televisão são o espelho de nossa sociedade atual, e elas revelam um povo doente, mal desenvolvido e sem referências claras. O Brasil parecia estar traçando um caminho que nos levaria ao progresso social, investindo na educação (embora os investimentos tenham se concentrado no ensino superior e técnico, o que, ao meu ver, é um erro), no combate à fome, nas campanhas ambientais, anti-racistas, e muitas outras ações que valorizam a h…

Não sei

Já não sei de nada mais,
Onde estão os meus pés,
Onde é frente ou é trás.

Caminhar, correr, sentir,
Sorver cada gota de orvalho
Que oferecer, o porvir.

Aqui, lá, ontem, hoje,
Lágrimas, e rapapés,
Tudo perto, tudo longe...

Nada sei, apenas sei
Que enquanto me achacoalho
Coisas caem sem lei.


Brasil de 2015 - Idade das Trevas

Sinto que dormi e acordei em uma realidade alternativa, em um Brasil onde o Martin voltou no tempo e se encontrou com o seu outro EU mudando todo o arcabouço de espaço e tempo, criando um 2015 sinistro e inimaginável. De repente, os radicais tomaram os meios de comunicação, estão nas televisões arrolando fiéis, envolvendo, convencendo as massas, criando um batalhão, um exército de Cristo! Eles estão comprando as rádios decadentes, e o pior de tudo, estão fazendo as leis de nosso país!
Não, meu povo, eu não sou evangélico-fóbica, eu não sou cristo-fóbica, eu não tenho medo ou ódio de evangélicos e muito menos de Cristo. Eu tenho amigos evangélicos maravilhosos, respeitadores, tolerantes e com muito mais amor para distribuir do que muitos de qualquer outra religião. Aliás, quero deixar claro que não tenho religião. O problema é que tudo isso que está acontecendo, não é por acaso, e não será sem consequências; o problema é que essas igrejas e seus líderes maiores da atualidade estão const…

A era dos lindos selvagens

Durante toda a minha vida eu ouvi expressões como "cabelo ruim", "juba de leão", "vassoura de piaçava", "Bombril", e tantos sinônimos de carga ofensiva para os cabelos crespos e encaracolados, inclusive para os meus, que cheguei a sonhar em ter longos e lisos cabelos esvoaçantes, que não deixassem milhares de fiozinhos elétricos e indomáveis a vista, e que não dessem trabalho ao acordar. Sonhei também em ser Paquita, pintar os cabelos de amarelo e ficar famosa no Xou da Xuxa, como a maioria de minha geração. O estranho é que durante os anos 80 até ocorreu o modismo chamado cabelo permanente, que era a prática de fazer curvas no cabelo com a intenção de dar volume e deixá-lo mais crespo, porém, o que acontecia era encontrarmos um bando de cabelos danificados e sem vida; isso passou rapidinho e os cabelos lisos e nipônicos reinaram nas últimas décadas, o desejo de ter os cabelos da elite fez com que as brasileiras gastassem horas e o seu suado din…

Onde estão nossos valores?

Ensinar valores se transformou em sinonimo de cafonice, retrocesso, obsolescência, assim como tudo o que tem relação com formação social das pessoas, assim também como as velhas aulas de etiqueta. Falar em honra, no sentido nipônico, falar em honestidade, caridade, amor ao próximo, parece ser falar sobre algo relegado apenas aos grandes nomes da história, como madre Tereza de Calcutá e Gandhi, que também teve alguns caroços tirados debaixo do seu angu.
No Brasil dos "Revoltados online" de hoje, estamos assistindo a uma grande miscelânea de palavrórios, opiniões ao léu, baseadas em notícias metralhadas pela mídia e das quais não sabemos se novas, verdadeiras ou imparciais, assim como não sabemos do histórico das situações que julgamos, resumindo, estamos num labirinto achando que estamos cientes de tudo o que acontece no mundo inteiro. Assistir televisão ou navegar pela internet é tomar doses cavalares de ignorância, violência gratuita, agressividade indiscriminada, idiotice e…

Tempos

Há dias em que as certezas se vão
E semeiam nuvens pálidas que esmagam,
Escurecem, atordoam...

Há tempos em que tudo se vai,
Tudo vem,
E tudo fica em movimento.

Há  noites insones
E dias entorpecidos
Em que o mundo não existe.

Há dias que são noites,
Noites que não passam
E tempo indefinido.

Há tempos que não passam,
Há tempos que não chegam,
Há tempos que não existem.

Há tempos...

Os piolhos

Na tenra idade, diziam que eu tinha ombros largos demais e que meus pés eram tortos, como os das modelos quando paravam. Os moleques infernais chamavam-me testão brilhante, leoa, magricela. Houve uma época em que ter piolhos era normal, e eu tinha, muito. Eu via os piolhos andarem nas sobrancelhas de uns e escorrerem pelos pescoços dos outros. A vizinhança se reunia na catação de piolho, filhos entre as coxas das mães, fraldas brancas para aparar os insetos, pentes finos e unhas. Colocaram óleo com fubá na minha cabeça e de muitos outros, mas era uma epidemia.  Algumas mães colocavam Detefon, aquela latinha amarela com veneno em pó para pulgas, nada dava jeito. A infância dos anos 80 foi piolhenta.
Diziam que eu era um bicho do mato, cara de bunda, emburrada. Disseram também que eu era metida, pirracenta e nojenta. Eu liguei na época, mas agora, rio do alto da pirâmide.
Disseram que eu nunca conseguiria emprego e se conseguisse, não seria capaz de permanecer em um. Riram de mim, me mand…

O que significa essa manifestação do dia 15 de março?

É a primeira vez em minha vida que vejo os brasileiros tão enfurecidos e claramente divididos em dois blocos em relação a política, e isso é assustador. Nos tempos do Collor, a população tinha uma só visão do que estava acontecendo, o da media corroborada pelos bolsos vazios, todos foram levados por uma onda em busca de mudanças que culminou com o impeachment do então primeiro presidente eleito democraticamente, um marco histórico. Eu me lembro muito bem daquela época, quando eu parei de estudar porque as escolas publicas não ofereciam livros didáticos, e não possuindo dinheiro para pagar, por que o governo confiscou toda a poupança e a inflação estava galopante, eu fiquei com vergonha de continuar estudando. Lembro-me muito bem do custo das coisas, de como faltou carne, de como foi preciso contratar mais pessoas para operarem as máquinas rotuladoras, e de como nós éramos milionários e miseráveis ao mesmo tempo. Lembro-me da primeira vez que prestei vestibular na UFOP, quando ainda er…

Depois dos 30

 Imagem do blog da Ila Depois dos trinta dividimos as lembranças e as cicatrizes das cirurgias, as de varizes, tireoides, cesarianas, enxertos ósseos, retiradas de terçol, redução de estômago, vasectomia, e afins. Nessa época não nos envergonhamos tanto pelas celulites, estrias, gordurinhas, manchas e imperfeições, pois raramente há perfeição. Depois dos trinta, aprendemos a valorizar o que preenche, não o que cobre; o que preenche uma conversa, o silêncio, os espaços, as carências, as necessidades, o sorriso, a vida. É neste momento que estamos quase prontos, prontos para aceitar, relaxar, sentir, sorrir, chorar e nos levantarmos. Depois dos trinta, temos muito mais a carregar, mas muito mais a oferecer; temos muito a dividir, assim como muito a aceitar. É na idade da crise que descobrimos nossa identidade, é aí que nos preparamos para sermos livres de todas as amarras supérfluas e ilusórias. Temos muito a levar, mas temos muito mais a conquistar. Depois dos trinta, estamos maduros pa…

Manchete mais que ambígua

Quando alguém lê: 
"Mãe de 5 após fertilização, psicóloga engravida naturalmente", o que vem à mente?
Uma psicóloga teve 5 filhos pós fertilização, porém a manchete está dizendo que ela engravidou naturalmente... Será que ela fez cinco fertilizações e depois conseguiu engravidar? Ou será que ela engravidou naturalmente de cinco filhos após fertilização? Cliquei no link do Facebook que me redirecionou para a seguinte manchete:
"Mãe de 5 após fertilização, psicóloga engravida e festeja 1ª menina: 'Sonho'"
Ela era mãe de cinco e após fertilização engravida de uma menina?Então ela tem cinco meninos? Fui obrigada a ler só para entender o que a manchete queria dizer. O Subtítulo dizia:
"Inesperada, gestação atual não teve intervenção médica: 'Não acreditava'.Layane Cedraz, 32 anos, monta estrutura em casa para receber 6º filho." 
Agora deu pra entender do que se trata a matéria, um pouco. Provavelmente, a exigência de uma manchete que se encaixasse ao…

Guloseimas da pindaíba

No tempo das vacas magérrimas, manjar dos deuses era fubá suado dentro do café, café com farinha de milho e banquete era quando tinha queijo minas para misturar no meio;
A lista de compras lá de casa, já decorada e batida, era ovo, tomate e banana;
Na sessão da tarde, o meu item favorito, deitada no sofazinho, era um tomatão bem maduro;
Não dispensava arroz feijão, tomate e banana, delícia!
Podem dizer o que quiserem, mas carne com café é muito bom!
Assim como queijo minas dentro do café quentinho, sai derretendo;
Aqui nós tomamos "café com leite e biscoito dentro";

O café é um grande item em nossa alimentação, o pão seco era enfiado no café para melhorar o sabor;
Domingo era dia de macarronada com frango frito, às vezes, salada de batatas com maionese;
Uma folha passada no ovo e na farinha de rosca fazia o papel de peixe, o nome dela era assapeixe;
Banana frita era o "must";
chuchu era comida de pobre, hoje subiu no patamar das comidas boas para a saúde e caras;
Feijão batido…

Carnaval - amo e odeio

Eu amo ver a criatividade do povo, inventando mil fantasias inimagináveis, o bom humor, a alegria; eu amo ver todos brincando uns com os outros, respeitando o espaço, se comunicando; eu amo ver familias inteiras subindo e descendo pelas ruas, dançando, esquecendo de seus problemas; Eu amo ver uma multidão unida em uma escola de samba, por amor à sua escola; eu amo ver o maior espetáculo da terra, milhares de pessoas fantasiadas, carros belíssimos, magnifico espetáculo; eu amo ver os diversos ritmos brasileiros, as tradições.





Eu odeio ver as mulheres inflando seus corpos, colocando silicone, botox, gel de não sei o que, fazendo escândalos, vendendo a alma ao diabo para ver quem é que vai aparecer mais no carnaval; eu odeio que a nudez feminina seja a marca mais forte do carnaval, não por falso moralismo, carolice, ou seja lá o que as feministas radicais gostam de falar, mas por que a nudez da mulher ainda está relacionada a uma imagem negativa, à ideia de prostituição, turismo sexual, e…

O que é liberdade de expressão? Chega desse papo!

Todos os dias, sem exceção, é só abrir a internet ou sentar na frente da televisão para sermos bombardeados por notícias terríveis sobre ataques terroristas, meninas sendo mutiladas, latrocínio, casamento infantil, apedrejamento de mulheres, homens bombas, esquartejamento, linchamento, vídeos íntimos divulgados sem permissão, e todo o tipo de violência imaginável e não imaginável. Os mais religiosos começam a dizer que é o fim do mundo e que as coisas estão cada vez piores, que nunca houve tanta violência, da mesma forma que nossos avós e tataravós diziam. A verdade é que sempre houve violência, subjugo, desrespeito, exploração do mais fraco, destruição do diferente, isso não é privilégio dos tempos modernos; porém, apesar de estarmos em tempos "modernos", apesar de vermos a tecnologia evoluir em alta velocidade, estranhamente, e concomitantemente, percebemos que velhas e humanas características não estão mudando ou evoluindo.
A onda agora é falar sobre a liberdade de expres…