Pular para o conteúdo principal

Sonho sinistro


Chegaram bêbados do aniversário da Mariazinha, mãe da Bete, e colocaram a Laurinha para dormir na cama. A menina de três anos veio dormindo no táxi e nem percebeu que seu corpo havia passado do colo cambaleante do pai para o conforto de seu colchão. Pai e mãe se livraram das roupas e se deitaram na cama, no quarto que ficava no mesmo corredor que o da menina. A cama ficava encostada na parede com os pés ao lado da porta, que ficou entreaberta para possíveis requisitadas da filhinha. O sono foi imediato, mal o casal se deitou e se entrelaçou e caíram nos braços de Morfeu. Não se pode precisar o tempo passado, mas em um determinado momento, a mãe acordou repentinamente, como se alguém a tivesse chamado. Logo pensou na menina, e, com muito esforço, levantou-se, sentou-se na beirada do pé da cama, e olhou pela porta para ver se a menina dava algum sinal. Estava escuro, e Bete sonolenta, com os olhos pressionados, na escuridão, conseguiu visualizar o vulto de um bebê de fraldas com as duas mãozinhas na parede, virado para ela. Apertou mais os olhos para tentar ver melhor, mas o sono foi maior, voltou para o travesseiro e fechou os olhos, supondo que deveria ter visto a menina, e, se fosse ela, voltaria logo a dormir ou viria chama-los. Porém, algo a incomodava em seu lento raciocínio alcoólico, aquilo parecia um bebê de aproximadamente um ano, não parecia sua filha. A dúvida e a sonolência brigavam e ela não conseguia se decidir entre a conferencia e a sonolência. Nesse momento, o pai também teve o mesmo gesto,  levantou-se, deitou-se, incomodou-se ao ver o vulto,  mas não conseguiu tomar decisão sobre a dúvida. Dormiram mal nessa noite.

No dia seguinte, tiveram a impressão de terem tido um sonho sinistro e a sensação de que algo maléfico pairava no ar daquela casa. Não comentaram um com o outro, mas sentiam.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relacionamento: como ser feliz sem um homem ao seu lado

É possível ser feliz mesmo vivendo sozinha, sem nenhum homem por perto, sem relacionamento?

O que eu posso dizer logo de início é: não tenho a resposta. O que tenho são teorias que elaborei  com o passar do tempo e das experiências, basta colocá-las em prática, por que teorizar é uma coisa, fazer é outra. Mas não se desespere, minha possível leitora, é possível  levar uma vida feliz sem precisar dos espécimes masculinos! Mas a primeira coisa que deveríamos saber é:
Nunca espere obter felicidade de algo externo
Meu amigo Freud já dizia que o ser humano sente uma eterna falta que nunca será suprida, sempre sentiremos falta de algo que nos leve à completude, e por causa disso, muitas vezes condicionamos a nossa felicidade a algo ou a alguém, na esperança de que nos sintamos plenos. O problema é que não podemos esperar que algo externo nos promova a completude, por que não temos controle nem sobre nós mesmos, quem dirá de outros eventos e pessoas. O que precisamos é tentar no…

Ouro Preto aos leões - O caso do Parque do Itacolomi

Eu já relatei aqui um acontecimento do ano passado, quando fomos comemorar o aniversário da minha enteada fazendo um piquenique no Parque Estadual do Itacolomi que, em pleno fim de semana, encontrava-se fechado. Voltamos totalmente frustrados em perceber que em Ouro Preto há poucas opções para que a família ouropretana possa aproveitar os momentos de descanso, e as que existiam, não funcionavam direito. Depois de alguns meses, o parque voltou a funcionar, mas nos entristecemos ao perceber as condições. O museu estava às moscas, museu que conta historia importantíssima da presença do chá na cidade. As luzes estavam todas apagadas e as atividades interativas não funcionavam. A Casa Bandeirista estava às traças. Mas, aproveitamos.
No dia 1° de maio, ontem, feriado nacional, voltamos ao parque para comemorar o aniversário do outro enteado, mas, quando chegamos lá, ficamos sabendo que agora está sendo cobrada uma taxa de 20 reais, inclusive para moradores! Quase tivemos um ataque. 
É um absu…

Eu já fiz xixi na cama depois de velha

É vergonhoso, mas a verdade é que eu não me lembro de fazer xixi na cama quando criança, mas me lembro muito bem das vezes que fiz quando já estava bem crescidinha. Não venham me olhar com essa cara de nojo e torcer o nariz, por que se você ainda não fez, há grande possibilidade de que venha fazer. 

É uma besteira rotular alguém por ter urinado esporadicamente enquanto dormia, especialmente por que a pessoa não tinha total controle de seu organismo, estava dormindo! Qualquer um pode cometer esse deslize uma vez ou outra, eu tenho certeza.
A primeira vez eu devia ter uns 15 anos; eu estava com muita vontade de ir ao banheiro, mas fui dormir. Sonhei que estava em cima de uma laje e comecei a fazer ali mesmo. Era uma sensação tão estranha, eu sentia que estava dormindo e que aquilo poderia ser um sonho, mas não pude controlar.

Na segunda vez, eu estava grávida, tinha uns vinte e poucos anos. Também sonhei, e a barriga gigantesca apertando a minha bexiga não ajudou. Vergonha.
A terceira vez e…