quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Sonho sinistro


Chegaram bêbados do aniversário da Mariazinha, mãe da Bete, e colocaram a Laurinha para dormir na cama. A menina de três anos veio dormindo no táxi e nem percebeu que seu corpo havia passado do colo cambaleante do pai para o conforto de seu colchão. Pai e mãe se livraram das roupas e se deitaram na cama, no quarto que ficava no mesmo corredor que o da menina. A cama ficava encostada na parede com os pés ao lado da porta, que ficou entreaberta para possíveis requisitadas da filhinha. O sono foi imediato, mal o casal se deitou e se entrelaçou e caíram nos braços de Morfeu. Não se pode precisar o tempo passado, mas em um determinado momento, a mãe acordou repentinamente, como se alguém a tivesse chamado. Logo pensou na menina, e, com muito esforço, levantou-se, sentou-se na beirada do pé da cama, e olhou pela porta para ver se a menina dava algum sinal. Estava escuro, e Bete sonolenta, com os olhos pressionados, na escuridão, conseguiu visualizar o vulto de um bebê de fraldas com as duas mãozinhas na parede, virado para ela. Apertou mais os olhos para tentar ver melhor, mas o sono foi maior, voltou para o travesseiro e fechou os olhos, supondo que deveria ter visto a menina, e, se fosse ela, voltaria logo a dormir ou viria chama-los. Porém, algo a incomodava em seu lento raciocínio alcoólico, aquilo parecia um bebê de aproximadamente um ano, não parecia sua filha. A dúvida e a sonolência brigavam e ela não conseguia se decidir entre a conferencia e a sonolência. Nesse momento, o pai também teve o mesmo gesto,  levantou-se, deitou-se, incomodou-se ao ver o vulto,  mas não conseguiu tomar decisão sobre a dúvida. Dormiram mal nessa noite.

No dia seguinte, tiveram a impressão de terem tido um sonho sinistro e a sensação de que algo maléfico pairava no ar daquela casa. Não comentaram um com o outro, mas sentiam.

Nenhum comentário: