Pular para o conteúdo principal

Os vira-latas do mundo


Depois de ver pelas ruas e internets da vida algumas jovens que estão de "saco cheio" de muitas atitudes machistas, resolvi falar um pouco sobre relacionamentos, mais especificamente, sobre pessoas que não amadureceram a ponto de saber que escolhas tem consequências, e que quando envolvemos outras pessoas em nossas escolhas, somos responsáveis pelo mal que esse envolvimento possa causar-lhes. Já falei inúmeras vezes sobre isso, e, longe de ser uma expert em relacionamentos, sou apenas uma observadora reflexiva da realidade. Cada qual deveria procurar viver da maneira mais aprazível, mas o prazer é algo que pode apresentar muitas nuances. Geralmente, se não sofremos de nenhuma fobia ou outra coisa que nos diferencie da maioria, sentimos prazer em satisfazer nossas necessidades básicas, que são, por exemplo, a de saciar a fome, a sede, o sono, e os desejos sexuais; porém, podemos escolher qual a melhor maneira de satisfazer essas necessidades, e cada um sabe, ou deveria querer saber de si. Há pessoas que desejam uma vida repleta de emoções, variedades e prazeres transitórios, e há outras, que sentem prazer em eleger pessoas e compartilhar pequenos prazeres, e há muitas variações disso. O problema é quando as regras do jogo não estão claras e envolvemos pessoas que não estão dispostas a participarem de determinados joguinhos. O problema é quando temos a ciência de que estamos envolvendo alguém em nossas redes e esse alguém não tem ciência das reais intenções do jogador. Isso é cruel, infantil e desonesto.

Existem pessoas que pensam estar em um patamar superior e que o seu jogo é o jogo de todos, onde o vencedor é sempre o mesmo, ou seja, elas mesmas. Não respeitam laços, contratos, nem os seus, nem os dos outros, e saem pelo mundo a ferir almas quase inocentes que se enrolam nas artimanhas da jogatina. Geralmente, mas não é regra em nosso mundo contemporâneo, o grande jogador é o homem, que sai pelo mundo enredando as pobres almas, sem se dar conta das consequências. Há alguns, que mesmo quando firmam contrato com alguma pobre desinformada, saem por aí atirando suas balas como se o tal contrato não existisse, ou seja, o jogador quer levar tudo, "The winnwer takes it all". Para livrarem-se de suas culpas, lançam mão de frases feitas, como: Cão de raça sempre tem dono", "segurem suas cabritas que o bode está solto", ou outro ditado machista, demonstrando o seu sentimento de superioridade sobre eles mesmos, que supostamente os isentaria da culpa de enganar moiçolas, pois essas já deveriam saber que tal mercadoria, tão exuberante, já estaria arrematada, ou que tem direitos de nascença.

Bem, resumindo, não são apenas os homens que jogam sujo, que não respeitam contratos, que não reconhecem-se a eles mesmos, que subjugam e que ferem, mas ainda em nossa cultura, eles fazem esse papel de predador insensível que precisa caçar suas presas descartáveis. É uma pena que as relações estão ainda longe de amadurecerem e que as pessoas estejam ainda longe de serem leais e verdadeiras com os outros e com elas mesmas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relacionamento: como ser feliz sem um homem ao seu lado

É possível ser feliz mesmo vivendo sozinha, sem nenhum homem por perto, sem relacionamento?

O que eu posso dizer logo de início é: não tenho a resposta. O que tenho são teorias que elaborei  com o passar do tempo e das experiências, basta colocá-las em prática, por que teorizar é uma coisa, fazer é outra. Mas não se desespere, minha possível leitora, é possível  levar uma vida feliz sem precisar dos espécimes masculinos! Mas a primeira coisa que deveríamos saber é:
Nunca espere obter felicidade de algo externo
Meu amigo Freud já dizia que o ser humano sente uma eterna falta que nunca será suprida, sempre sentiremos falta de algo que nos leve à completude, e por causa disso, muitas vezes condicionamos a nossa felicidade a algo ou a alguém, na esperança de que nos sintamos plenos. O problema é que não podemos esperar que algo externo nos promova a completude, por que não temos controle nem sobre nós mesmos, quem dirá de outros eventos e pessoas. O que precisamos é tentar no…

Ouro Preto aos leões - O caso do Parque do Itacolomi

Eu já relatei aqui um acontecimento do ano passado, quando fomos comemorar o aniversário da minha enteada fazendo um piquenique no Parque Estadual do Itacolomi que, em pleno fim de semana, encontrava-se fechado. Voltamos totalmente frustrados em perceber que em Ouro Preto há poucas opções para que a família ouropretana possa aproveitar os momentos de descanso, e as que existiam, não funcionavam direito. Depois de alguns meses, o parque voltou a funcionar, mas nos entristecemos ao perceber as condições. O museu estava às moscas, museu que conta historia importantíssima da presença do chá na cidade. As luzes estavam todas apagadas e as atividades interativas não funcionavam. A Casa Bandeirista estava às traças. Mas, aproveitamos.
No dia 1° de maio, ontem, feriado nacional, voltamos ao parque para comemorar o aniversário do outro enteado, mas, quando chegamos lá, ficamos sabendo que agora está sendo cobrada uma taxa de 20 reais, inclusive para moradores! Quase tivemos um ataque. 
É um absu…

Eu já fiz xixi na cama depois de velha

É vergonhoso, mas a verdade é que eu não me lembro de fazer xixi na cama quando criança, mas me lembro muito bem das vezes que fiz quando já estava bem crescidinha. Não venham me olhar com essa cara de nojo e torcer o nariz, por que se você ainda não fez, há grande possibilidade de que venha fazer. 

É uma besteira rotular alguém por ter urinado esporadicamente enquanto dormia, especialmente por que a pessoa não tinha total controle de seu organismo, estava dormindo! Qualquer um pode cometer esse deslize uma vez ou outra, eu tenho certeza.
A primeira vez eu devia ter uns 15 anos; eu estava com muita vontade de ir ao banheiro, mas fui dormir. Sonhei que estava em cima de uma laje e comecei a fazer ali mesmo. Era uma sensação tão estranha, eu sentia que estava dormindo e que aquilo poderia ser um sonho, mas não pude controlar.

Na segunda vez, eu estava grávida, tinha uns vinte e poucos anos. Também sonhei, e a barriga gigantesca apertando a minha bexiga não ajudou. Vergonha.
A terceira vez e…