segunda-feira, 25 de junho de 2018

O que somos e o que poderíamos ser - seres biológicos ou sociais?


Quando menina, eu não chorava, não. Não me lembro exatamente quando parei de chorar ou o porquê, mas tenho vagas lembranças de ter sido taxada como pirracenta, se não estiver enganada. Também tenho vagas sensações de ter sofrido humilhações por demonstrar meus sentimentos, minhas fraquezas. Tentava ser sempre justa com os amiguinhos, e quando os argumentos pareciam-me relevantes, mudava a minha defesa, diziam-me para que escolhesse meu lado. Sempre fui muito silenciosa e observadora. Não era uma pessoa de amplas relações, mas a situação da humanidade deixava-me deprimida. Não conseguia me expressar.

Cresci e forcei-me a ser diferente. Compreendi que as pessoas gostavam de falar de si mesmas e que déssemos atenção genuína, demonstrando interesse por suas façanhas, conquistas e desastres. As pessoas também sentem-se confortáveis se dividimos algum tipo de aparente intimidade, e se evitamos a falar mal dos ausentes, isso gera maior confiança e cria um clima propício para compartilhamento de informações. As pessoas gostam que olhemos para elas, que falemos coisas agradáveis e que sejamos sinceros com extrema polidez. E gostam que não falemos muitas verdades dolorosas. A maioria gosta de gente que as faça rir. Embora, muitas vezes eu me sinta desanimada de me envolver em qualquer discussão já discutida bilhões de vezes e que, sabidamente, não dará em nada, forço-me a me interessar. Mas, procuro não cansar-me muitas vezes ao tentar tagarelar mesmices ou a argumentar sobre assuntos que os interlocutores não dominam igualmente, o que exigiria um esforço estupendo de ambas as partes e, também, não levaria a nenhum lugar.

Nunca tive muito apoio. A minha família era desestruturada, vivi em uma pobreza horrorosa.  Algumas vezes, procurei loucamente por algo para matar a fome dentro de um armário que sabidamente estava vazio, no qual já havia procurado alguns minutos antes; Não conseguia falar com o meu pai, tamanha mágoa que nos causou, e não o culpo por suas heranças machistas de nossos antepassados. Não me lembro de ter parado para conversar com nenhum deles na infância. 

Eu pensei que jamais veria um avião na vida, e não sentia que era digna de entrar em locais que eram frequentados por pessoas que possuíam maior poder financeiro que o meu. O meu cabelo não era liso, as minhas pernas eram finas, a minha testa era grande. Eu gostava de me sentar na horta sozinha e imaginar aventuras, ou deitar na calçada olhando a imensidão do universo e a minha pequenez..

Casei-me jovem demais, quando ainda tinha vergonha de pegar ônibus ou comprar pão. A minha presença não era desejada, eu era, de novo, parte da herança maldita de nossa sociedade machista. Nunca tive sonhos de ser mãe, mas fui e sou, e de nada arrependo-me, porém, pagamos por nosso despreparo e fazemos com que paguem igualmente, transmitindo as heranças. Fiquei só com os filhos, e eu era-lhes o exemplo, o arrimo. Não poderia ser fraca, não poderia chorar, não poderia passar insegurança. Fui dura, seca, humana. Reboquei e pintei casa, que quase caiu sobre nossas cabeças, fui trabalhar, estudar, ninguém me apoiava para "ir para a gandaia", "sua separada", "pariu Mateus, que balance". Fui.

Eu não me arrependo de nada, e só penso nessas questões quando penso em mim mesma, sobre o que sou hoje e como poderia ser. Talvez poderia ser mais doce e amável, mais calma e polida. Sim, talvez eu pudesse mentir, dizendo que sinto saudades, ou dizer que amo, amando ou não. Talvez as palavras sirvam mais que os atos, talvez.Talvez eu pudesse me abrir mais e oferecer mais, ou não. Cada um oferece o que é capaz de oferecer.

Mas, apesar da dureza e da aspereza, a minha consciência é livre. Não recusei os papeis sociais, ou os papeis relacionais, mesmo que abrindo mão de mim mesma, na maioria das vezes.  Assim sou por causa de tudo o que vivi. Posso ser melhor, mas isso será quando e se eu tiver a oportunidade de sê-lo. Mas, jamais serei medíocre ou colocarei os outros abaixo ou acima de mim. Sou apenas mais um ser nesse mundo efêmero, e essas são apenas mais algumas palavras ao vento da internet. Daqui a pouquinho, não mais estarei aqui, e espero que, mesmo com a minha dureza e a minha aspereza, eu tenha conseguido transmitir os valores que considero justos.


Nenhum comentário: