sexta-feira, 9 de março de 2018

Agradecimentos na dissertação de mestrado


Em primeiro lugar, gostaria de quebrar o protocolo e agradecer a mim mesma; agradecer por ter insistido em estudar, mesmo que meus familiares não considerassem que isso fosse importante. Felizmente, voltei à escola depois de tê-la abandonado na quinta série por não ter dinheiro para pagar o livro didático de português que os professores indicaram. Casada e com um filho pequeno, deixava-o na escola e saía para terminar o ensino médio; foi lá que comecei a sonhar com o curso superior. Fiz vestibular e passei, na época em que era quase impossível que um "nativo" de Ouro Preto entrasse na universidade da própria cidade. Vivi dificuldades pessoais, me separei, e por falta de renovação de matrícula, fui desligada do curso de Letras no último período, recurso negado. Fiz novo vestibular e passei novamente, recomecei. Trabalho, dois filhos, depressão, segui, demorei, me formei. Fui selecionada pelo mestrado e aqui estou, feliz por não ter desistido quando cansada o filho dizia que eu estava fazendo tudo isso por que queria. Feliz por não ter me importado quando alguém dizia que estudar muito fazia endoidar. Feliz por ter seguido. Então, já que é permitido agradecer a Deus, não vejo problema em agradecer a mim mesma, já que, em minha concepção, ainda em formação sobre a divindade, eu e todo o resto fazemos parte de algo incognoscível que poderíamos chamar de Deus, e como disse Gregório de Matos:

O todo sem a parte não é todo; 
A parte sem o todo não é parte; 
Mas se a parte o faz todo sendo parte, 
Não se diga que é parte, sendo todo.

Então, agradeço a mim que, como todas as Meninas da FEBEM, de quem falo em meu trabalho, não desistimos em nossa feminina luta, que existe indiferente da concepção e da consciência de feminismo. Não sou mais que elas, nem menos, mas todas nós merecemos respeito e felicitações por não termos desistido em um mundo que ainda não é um bom anfitrião para as mulheres.

As outras felicitações virão em minha dissertação real, se Deus, o incognoscível, assim permitirmos. Amém.
Postar um comentário