sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Desculpe - me

Desculpe - me se o meu gole é amargo
E se meus olhos estão secos;
Sinto por não ser tão suave
Ou se às vezes cheiro a esterco.

As esperanças mataram a esperança
E as lágrimas secaram a fonte.
La se foram a alegria mansa
E a luz que havia no monte.

Desculpe - me se desaprendi a amar,
Ou se tudo parece escuro...
Sinto por parecer hesitar,
Ou estar em cima do muro.

Desculpe - me,
Por despertar tarde
E estar de mau-humor...
Abra a janela devagar
Sinto que o sol me invade,
Devagar, nascerá uma flor.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...