segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Prova de Português


Quando decidi fazer Letras, há muito tempo atrás, imaginei coisas totalmente diferentes sobre o curso, pensei que sairia da universidade sabendo a gramática de cor e salteado e que seria capaz de responder a qualquer pergunta morfossintática, que equívoco... Não que eu entenda que o curriculo do curso esteja errado, o que percebi é que o curso é mais voltado para as pesquisas linguisticas. Confesso que o curso deu uma boa reorganizada e que está mil vezes melhor do que na primeira vez em que entrei (longa história que depois conto), mas a questão aqui nem é sobre o curso de Letras, mas sim, sobre o conceito que estamos formando sobre os conhecimentos necessários na formação das pessoas. Antigamente cobravam-nos em concursos e nas escolas o conhecimento das regras gramaticais, agora nos cobram " Interpretação de textos, considerando as relações morfossintáticas e semânticas que se constituem" (programa da prova de português do concurso público da UFOP para Técnico Administrativo). Que diacho é isso? Vejam o texto que caiu na prova:

Bonito, gostoso e prático 

RIO DE JANEIRO – Um dos temas mais momentosos da Bienal do Livro, em cartaz no 
Riocentro, é se o livro impresso, de papel, corre o risco de desaparecer, fulminado pelas 
novas tecnologias. Eu próprio, zanzando entre os stands no último domingo, fui 
perguntado várias vezes sobre isso.  
Curiosamente, quem olhasse ao redor diria que a pergunta não fazia sentido e que a 
indústria do livro nunca esteve tão robusta neste país. Era um domingo de escandaloso 
azul, com as praias, os passeios e todas as formas de lazer grátis no Rio convidando o 
povo a estar em qualquer lugar, menos ali, num conjunto de pavilhões em Jacarepaguá, a 
mais de uma hora de Ipanema, e tendo de comprar ingresso para entrar. 
Pois essa pergunta estava sendo feita em meio a montanhas de livros expostos e 125 mil 
pessoas, número de visitantes que, segundo a Bienal, compareceu no fim da semana. 
Gente que não pagou para ver malabaristas, engolidores de fogo ou artistas globais, mas 
romancistas, biógrafos, poetas ou autores de livros para crianças. 
Respondi que, como formato, o livro é difícil de ser superado – porque já nasceu perfeito, 
e não é de hoje. Ele é bonito, gostoso e prático. E também portátil: pode ser levado na 
mão, na mochila ou na bolsa, e lido no sofá, na cama, no banheiro, na mesa de jantar, no 
bonde, no ônibus, no jardim, na praia, na banheira, onde você quiser. E também barato: 
quem não tiver dinheiro para livros novos, encontrará farta escolha nos sebos e até nas 
calçadas da rua. 
Um livro pode nos alimentar por uma semana, um mês ou o resto da vida. E, ao contrário 
do CD e do DVD, não precisa de máquina para tocar. Basta ser aberto para poder ser 
lido. Na verdade, o livro só precisa de nós. 
Neste momento, mais do que nunca, talvez. 

(Ruy Castro, Folha de São Paulo A2 Opinião, 16/9/09)  



O texto é interessante, atual, legal... Mas a questão número quatro me matou:

A maneira de considerar a permanência do livro de papel, de acordo com a 
argumentação de Ruy Castro, pode ser reforçada com este fragmento de outro texto: 

A minha resposta, depois de achar que nada fazia sentido, foi esta:

Coexistência é a expressão mais utilizada pelos autores que participam da Festa 
Literária Internacional de Paraty (Flip), no Rio, ao comentar o futuro do livro em 
papel e das novas plataformas digitais.”

Porém, a resposta correta era esta:

(...) um personagem que daria um roteiro ainda mais interessante do que o que 
se via na tela: um ex-traficante, Anderson Agostinho (apelidado de Buiú), de 29 
anos, que se apaixonou por livros: ‘Vi que também podia fazer com que as 
crianças gostassem de ler.’, conta Buiú.” 
(Folha de São Paulo de 8/12/10 C2 e www.inovacaotecnologica.com.br, acesso em 
8/12/10.)


Deus! O que o autor desta questão quis dizer com "maneira de considerar a permanência do livro de papel"? Não podemos, de acordo com o texto, considerar a permanência do livro de papel, já que a coexistência é a expressão mais utilizadas lá, por aqueles autores, referindo-se aos livros digitais e de papel? E o que este fragmento de noticia falando sobre um ex-traficante que se apaixonou por livros corrobora com a permanênica do livro de papel, aqui não se fala especificamente de livro de papel. diacho!

A quinta questão no pergunta:

Pelo texto, pode-se dizer que a Bienal do Livro é um evento

Eu respondi:

 cuja realização mostra que há mais interesse em conhecer autores famosos do 
que artistas de circo

Mas o correto seria:

 ao qual a cobrança de ingresso não traz redução expressiva de público

Eu fiquei em dúvida entre essas duas... Isso aparece no trecho:


Gente que não pagou para ver malabaristas, engolidores de fogo ou artistas globais, mas 
romancistas, biógrafos, poetas ou autores de livros para crianças. 

Eu poderia entender isso de duas formas, como "gente que não quis pagar pra ver malabaristas e tal, num fim de semana, mas quis pagar para ver livros, ou, gente que não pagou pra ver malabaristas e sim para ver  livros...

Bem, as outras questões são tão ambíguas quanto estas, ao meu ver. Não vou falar mais por que o meu post já está grande e eu estou com preguiça (confesso), mas se alguém quiser conferir a prova é só clicar aqui.

O que eu quero dizer com isso tudo, além de que estou com raiva dessa prova, é que eu não sei mais o que estudar, o que pensar e o que deveria ser cobrado nas provas ditas de português...Eu odiava quando se cobrava a gramática, mas ao menos eu sabia por que eu tinha errado. E olha que eu faço Letras!

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Céu e mar



Tão Eu que nada perturba o estar 
E nada confunde o caminhar,
O querer, o desejar...
É assim que me vi ao lhe olhar
E enxerguei nos olhos tristes
A alegria de doar.


Se em seus pobres devaneios 
Um peixe sonha em voar,
Pela ousadia, morrendo
Será grato pela ave encontrar.


Oh, ave tão colorida!
Que alegria viveste ao ver
Que apesar das asas sofridas
Um dia chegaria a saber,
Que num lugar distante encontraria
O que jamais sonhara em ter!


Amor perfeito, meios imperfeitos...
Mar e céu jamais se encontram
A não ser quando lá desponta
O sol que não brilha cá.


A ave se resignou
Feliz viveu e morreu
Sabendo que mesmo tão longe
O amor perfeito viveu.

.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Se um homem quer você, nada pode mantê-lo longe.



Recebi este texto em um e-mail e dizem se tratar de um texto da apresentadora norte-americana  Oprah Winfrey. Se é verdade eu não sei, mas achei super interessante e válido.
"Pare de dar desculpas (de arranjar justificativas) para um homem e seu comportamento.
Permita que sua intuição (ou espírito) te proteja das mágoas.

Pare de tentar se modificar para uma relação que não tem que acontecer.
Mais devagar é melhor. Nunca dedique sua vida a um homem antes que você encontre um que realmente te faz feliz.
Se uma relação terminar porque o homem não te tratou como você merecia,”foda-se, mande pro inferno, esquece!”, vocês não podem “ser amigos”. Um amigo não destrataria outro amigo.
Não conserte.

Se você sente que ele está te enrolando, provavelmente é porque ele está mesmo. Não continue (a relação) porque você acha que “ele vai melhorar”.
Você vai se chatear daqui um ano por continuar a relação quando as coisas ainda não estiverem melhores.
A única pessoa que você pode controlar em uma relação é você mesma.
Evite homens que têm um monte de filhos, e de um monte de mulheres diferentes. Ele não casou com elas quando elas ficaram grávidas, então, porque ele te trataria diferente?
Sempre tenha seu próprio círculo de amizade, separadamente do dele.
Coloque limites no modo como um homem te trata. Se algo te irritar,faça um escândalo.
Nunca deixe um homem saber de tudo. Mais tarde ele usará isso contra você.

Você não pode mudar o comportamento de um homem. A mudança vem de dentro.
Nunca o deixe sentir que ele é mais importante que você… mesmo se ele tiver um maior grau de escolaridade ou um emprego melhor.
Não o torne um semi-deus.
Ele é um homem, nada além ou aquém disso.
Nunca deixe um homem definir quem você é.
Nunca pegue o homem de alguém emprestado.
Se ele traiu alguém com você, ele te trairá.
Um homem vai te tratar do jeito que você permita que ele te trate. Todos os homens NÃO são cachorros.


Você não deve ser a única a fazer tudo…compromisso é uma via de mão dupla.
Você precisa de tempo para se cuidar entre as relações. Não há nada precioso quanto viajar. Veja as suas questões antes de um novo relacionamento.
Você nunca deve olhar para alguém sentindo que a pessoa irá te completar.
Uma relação consiste de dois indivíduos completos,procure alguém que irá te complementar… não suplementar.
Namorar é bacana. mesmo se ele não for o esperado Sr. Correto.
Faça-o sentir falta de você algumas vezes… quando um homem sempre sabe que você está lá, e que você está sempre disponível para ele, ele se acha…
Nunca se mude para a casa da mãe dele. Nunca seja cúmplice (ou co-assine qualquer documento) de um homem.

Não se comprometa completamente com um homem que não te dá tudo oque você precisa. Mantenha-o em seu radar, mas conheça outros…
Compartilhe isso com outras mulheres e homens (de modo que eles saibam). Você fará alguém sorrir, outros repensarem sobre as escolhas, e outras mulheres se prepararem.
O medo de ficar sozinha faz que várias mulheres permaneçam em relações que são abusivas e lesivas: Dr. Phill

Você deve saber que você é a melhor coisa que pode acontecer para alguém e se um homem te destrata, é ele que vai perder uma coisa boa.
Se ele ficou atraído por você à primeira vista, saiba que ele não foi o único.
Todos eles estão te olhando, então você tem várias opções.

Faça a escolha certa."


Falou e disse!

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Nasci pra amar nego torto


Nasci pra amar nego torto,
Correr atrás do bicho solto
E nunca conseguir alcançar;
Nasci pra ouvir rejeitados,
Acalmar os desesperados
E nunca me acalantar;
Nasci pra adocicar pecados,
Aliviar machucados
Sem minhas lágrimas secar.
Nasci pra amar quem não ama
Nasci pra voar, sempre insana
Nasci só para amar.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...